José Valdir Pereira
 
 
 
José Valdir Pereira
     Inicio   

  6   -  Mural de recados

 


jose valdir   -  01-08-2014


BRASIL DOS BONS!


Enviei uma carta registrada para Fortaleza-CE, dia 24 de julho de 2014. Sempre que vou ao site dos Correios fazer o rastreamento, encontro esta mensagem: Objeto postado após o horário limite da agência
24/07/2014 14:23 PORTO VELHO / RO
Pela informação do sistema, a encomenda ainda não saiu de Porto Velho
Os Correios já foram a empresa mais eficaz e eficiente do Brasil.
Para se ter uma ideia, o serviço postal está tão desacreditado que nem o SEDEX é garantido. E o funcionário que atende, pergunta: quer registrada com AR (aviso de recebimento). É que, com AR a certeza de que a encomenda chegue é mais garantida.
Outrora, a gente usava o sistema da carta simples e ela chegava...E rápido. Hoje, nem SEDEX chega. E nem é tão rápido.


Pela manhã, após caminhada, passo uma vez ou outra na Agência do Banco do Brasil, na Av. Presidente Dutra em Porto Velho-RO, raramente os caixas eletrônicos estão funcionando. E olha que são mais de 05 (cinco).
O Banco do Brasil já foi uma das melhores instituições bancárias do Brasil

Um amigo disse-me que tem um processo na Prefeitura Municipal de Porto Velho que corre desde 2010 e nada de conclusão. Mesmo o processo estando concluso, a prefeitura sempre encontra uma forma de cobrar taxas e mais taxas.
Disse-me ele que reclamou na procuradoria da Secretaria pertinente e um dos servidores disse que essa demora é comum. E não só aqui (em Porto Velho), mas em qualquer lugar do Brasil.
A Prefeitura de Porto Velho, entra governo e sai governo, continua inoperante e incapaz de resolver os problemas da cidade. Quem tenta resolver algum problema nos órgão da prefeitura, a alegação é que o sistema (informatica) está fora do ar.
E quem lhe atende pede para você "retornar daqui a uma semana."
É muita preguiça...

Outro amigo aqui de Porto Velho disse-me que quase foi atropelado.
O carro era um daqueles importados, de luxo. O (a) motorista, não quis nem saber. Quase passava por cima.
A cidade, assim como o Estado todo, foi invadido, não só por gente educada, mas por gente egoista e sem respeito, sem educação e cheia de selvageria

Na Av. Calama, proibiram os carros estacionarem do lado direito do corredor, alegando que era para facilitar o fluxo dos ônibus. A Av. é tida como um corredor de ônibus. Detalhe: os ônibus que circulam na Av. o faz de 2 em 2 horas ou mais. Estudo besta esse que fizeram, apontando a necessidade de proibirem os carros de estacionarem..etc etc etc.

A cidade de Porto Velho tem sempre uma novidade (péssima) para quem a visita de ano em ano. Desta vez, constatamos que há em cada quadra das ruas e avenidas uma placa informando o limite máximo de velocidade para os automotores. O problema é que em uma quadra a velocidade máxima é 50km/h, noutra é 30, noutra é 40...Arre!
Você fica aterrorizado...Que agonia!
Ah, minha cidade!

E ainda tenho um amigo que diz que não gosta que falem dos problemas de "sua" cidade.
Eita cabra masoquista.
 


jose valdir   -  01-08-2014


Passagem das Horas


Trago dentro do meu coração, Como num cofre que se não pode fechar de cheio, Todos os lugares onde estive, Todos os portos a que cheguei, Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias, Ou de tombadilhos, sonhando, E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.
< Álvaro de Campos, heterónimo de Fernando Pessoa
 


VIRIATO MOURA   -  31-07-2014


FINALMENTE...


Ao dar o último suspiro, o poeta sussurrou seu mais perfeito verso. E tornou-se imortal.
(Viriato Moura)
 


jose valdir   -  30-07-2014


O Amanhecer - José Augusto de Lima Siebra.
Poeta varzealegrense José Augusto de Lima Siebra, (1881 - 1960), reprise dedicada ao poeta Valdir Pereira.


Acho bom, gosto de ver Quando o dia vai raiando. A luz surgindo no céu A passarada cantando.

Me benzo, pois nesta hora Encho minha alma de fé Sigo direto à cozinha Para cuidar do café.

Que lindo céu da manhã! Oh, como tudo é grandeza! Que céu bordado de luz, Como é linda a natureza.

O rico, pois, nessa hora, Dorme qual porco na cama E o pobre, em preces divinas, O nome de Deus proclama.

O pobre, pois, num instante, Louva a Jesus e a Maria Empunha a foice, a enxada E segue a luta do dia.

Oh quanto me deleito Nesta hora da manhã! Neste todo tão divino Neste céu cor de romã.

Gosto de ouvir nesta hora A cantiga do Geraldo, Peito que estala saudoso, Qual um piston afinado.

Canta muito bem o negrinho Com tanta satisfação Que faz um mar de ventura Visitar-me o coração.

Acho a voz de Geraldo Tão bonita, engraçadinha, Que desejava comê-la Misturada com farinha.

Quem vê o pobre negrinho Sujo, roto e aleijado, A cabeça descoberta, O olhar atravessado,

Não diz que daquele peito Bate a voz de um chorão Nem sabe que a voz de Deus Mora no seu coração.

O Geraldo quando canta Deus escuta atentamente, E sendo um Deus no seu peito Se manifesta contente.

Solta feliz, ó Geraldo, Este teu canto bonito Neste teu canto eu vejo As notas do infinito.

Blog do Sanharo

Quanta grandeza encerram esses versos do Poeta Jose Augusto.
poeta josé valdir

Que luz literária e cultural fantástica, Morais.
Realmente, precisamos divulgar nossas preciosidades nativas.
Essas instituições culturais recém criadas em Várzea Alegre, aliadas ao trabalho dos blog´s, que já vêm, há algum tempo, fazendo e disseminando nossa cultura, nossa literatura, e valorizando nossos artistas e nossas manifestações culturais, vão somar, mais e mais, para a consecução dos nossos objetivos nativistas.

Você é, Morais, uma bênção para nossa Várzea Alegre.
Prazer conhecer você e seu trabalho cultural manifestado através do blog Sanharol. Vou divulgar no meu site, www.josevaldir.com , nossa gente e nossa cultura, com mais freqüência. O poeta José Augusto me faz, por meio da sua obra literária, sentir e viver o amor, a natureza e as belezas que a vida encerra, nos sonhos e no dia-a-dia. Grande abraço.
 


Ana Flavia   -  30-07-2014


Boa noite, José Valdir.


Sou estudante de Arquitetura e Urbanismo da UNIFOR e nos foi dada a tarefa de escolher uma cidade do Brasil para falar sobre sua evolução urbanística e arquitetônica.
Sou natural de Várzea Alegre e resolvi prestigiar minha cidade por meio do trabalho. Vi no seu site um bom material sobre o tema e gostaria de me aprofundar nisso.
Gostaria de pedir sua ajuda, fornecendo algum material ou me indicando alguma fonte para que possa procurar.
Preciso da evolução da cidade, desde a chegada de papai Raimundo. Conto com um retorno seu e desde já agradeço.
 


VIRIATO MOURA   -  29-07-2014


RÉQUIEM PARA LEÔNIDAS RACHID JAUDY, UM GRANDE MÉDICO PIONEIRO
(1932-2014)


Morreu na tarde desta terça-feira (29), em Cuiabá, o conceituado médico pioneiro Leônidas Rachid Jaudy. O texto de minha autoria que segue, publicado no livro Primórdios da Medicina em Rondônia, editado sob os auspícios do Conselho Federal de Medicina, lançado em 23 da abril do ano passado, é uma singela homenagem póstuma que presto ao querido amigo que, pelos competentes e humanitários serviços prestados ao povo de Rondônia nos anos em que aqui viveu, deve ser lembrado com gratidão para sempre.

Leônidas Rachid Jaudy nasceu em 16 de julho de 1932. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ,) em dezembro de 1959. Chegou ao antigo território federal de Rondônia em 1960. Em outubro daquele ano foi contratado pelo governo. Quando começou suas atividades teve de enfrentar uma região insalubre com grande incidência de malária, tuberculose e hanseníase, entre outras doenças tropicais debilitantes e até fatais.

Ao longo dos 32 anos de atuação, exerceu várias funções públicas: diretor do Hospital São José, diretor da Maternidade Darcy Vargas, diretor de Saúde e, posteriormente, secretário de Saúde, Educação e Serviço Social. Labutou ao lado de figuras exponenciais do nosso pioneirismo médico da segunda metade do século passado como foram: Hamilton Raulino Gondim, Ary Tupinambá Penna Pinheiro, Lourenço Antônio Pereira Lima, Rafael Vaz e Silva, Hélio Sthuthos Arouca, Murilo Oliveira, Arilda Mota Siqueira, Nelson Couceiro, José Adelino da Silva, Noel Bispo dos Santos e Carlos Alberto Brasil Fernandes.

Rachid foi um soldado de destaque desse grupo de combatentes de doenças que atuou em Rondônia. Cirurgião vocacionado e talentoso, operava com elegância e destreza. Ao ser procurado pelos acadêmicos de medicina que passam suas férias em Porto Velho, permitia que o auxiliassem nas cirurgias enquanto ministrava ensinamentos fundamentados no saber teórico e em sua longa vivência. De temperamento agradável, cativava a todos que com ele conviviam.

Como homem público, desenvolveu um trabalho notável. Em suas gestões foram realizadas as seguintes obras: construção do centro cirúrgico, do laboratório de análises clínicas, do pavilhão de neuropsiquiatria e a aplicação das enfermarias do Hospital São José. Na Maternidade Darcy Vargas, construiu o centro-obstétrico, o berçário, dez apartamentos e ampliou o número de leitos.

A Comunidade Aben-atar recebeu ar-condicionado e teve reformada suas copa e cozinha, além de ter sido dotada de médico e dentista. Em sua gestão como secretário de Saúde construiu o primeiro hospital ortopédico de Rondônia, o Hospital das Doenças do Aparelho Locomotor, em parceria com o Hospital Sara Kubitschek, de Brasília, dirigido pelo professor Aluízio Campos da Paz. Rachid determinou a reforma e a ampliação de outras unidades de saúde de Porto velho, Guajará-Mirim e diversos municípios de Rondônia.

A participação política do eminente médico reveste-se, também, de grande importância. Respondeu pelo governo do Território de Rondônia por quatro vezes. Em todas as funções exercidas postou-se com denodo, dedicação e competência.

Ao se aposentar, Rachid retornou à sua terra natal, Cuiabá, onde usufrui, junto com seus familiares, merecidos dias de repouso certamente com a consciência tranquila de quem cumpriu meritoriamente o seu dever de médico e de cidadão. O povo de Rondônia jamais deveria esquecer essa figura exponencial da medicina exercida em nosso meio.
 


Auxiliadora Pinto   -  29-07-2014


Caríssimo escritor José Valdir
boa tarde


Estou desenvolvendo uma pesquisa sobre a Literatura de Rondônia e gostaria de contar com sua colaboração.

Já enviei um e-mail, mas não recebi a resposta... Por favor, me informe um telefone para contato, ou responda à mensagem que enviei anteriormente.

Obrigada, Auxiliadora Pinto.
 


VIRIATO MOURA   -  29-07-2014


PERDA IRREPARÁVEL


Quando tudo for sabido e esclarecido, a inteligência perderá suas razões.
 


Viriato Moura   -  28-07-2014


RESTRIÇÃO


Qualquer coisa, sem restrição, não deve ser feito por coisa alguma.
(Viriato Moura)
 


jose valdir   -  28-07-2014


Meu Vesúvio


Fico distante da coisa que me ignora, porque, em não me conhecendo... apavora.

Fico distante daquilo que me desola, porque, se não me afaga... degola.

Fico longe de quem enrola, porque, se me achego... devora!
(jose valdir pereira)


Pagina(s):   «     1   2   3   [4]   5   6   7   8   9   10    »  

   

Este site é um projeto cultural sem fins lucrativos.
A veiculação de textos, voz e imagem não é remunerada.
As idéias e opiniões expostas por colaboradores e homenageados podem não ser necessariamente as mesmas do Editor.
O site respeita a liberdade de expressão e a pluralidade de comportamentos.


Copyright ©2004 - Todos os direitos reservados.